Daily Archives: 25/07/2018

A arte é um desbunde

Texto de Mônica Ribeiro

“Enquanto houver burguesia não vai haver poesia…mas enquanto houver Lu Valença haverá arte. Faz parte do seu show. Enquanto houver boteco bom pra planos besteira deixando escapar segredos,cores, codinomes, para que o tempo passe arrastado pra ficar ao lado de alguém, amigos ou flores tanto faz desde que haja arte, ainda que no discurso. Enquanto se puder vagar na lua deserta do Arpoador ainda se verá pinturas e cores feito as da Lu. Enquanto houver burguesia ainda haverá democracia, pois que nem tudo fede. Que país é esse de Rock in Rio, Festas pops, poesia em controvérsia, amor em conversa, e em cada aeroporto há um estranho inventando amor no próximo hotel, por mar, por terra ou por quadros. Solidão que nada, partida e chegada. A arte é um desbunde que ainda salta os olhos até de quem já se foi exageradamente a moda Cazuza.
Enquanto houver Flip, e tantas outras estações onde desembarcam autores como Luciana Hidalgo, onde houver um palco para as Montenegros da vida, haverá poesia sim, arte e outras correntezas num TREM PRAS ESTRELAS, pois os navios negreiros já se foram e hoje contemplamos arco íris, flores, amores, ardores, ascos, corpos corruptos e ARTE sobrevivendo na avenida do samba, na aquarela ue estampa, na tarde que me lembra Vinícius de Moraes…Porque que a gente é assim? Mais uma dose, é claro que eu to afim de ARTE!!!
Ops: Só de passagem, Cazuza passou por aqui e piscou pra Lu Valença cogitando minha inspiração.”

‘Boas Vibrações’
aquarela
Lu Valença

aquarela sobre papel

Boas Vibrações

Advertisements
%d bloggers like this: