Category Archives: desenho

A Alma é Carmim

Voltei ao PB com detalhes em cor, um descanso para os meus olhos.

ALMA

“Alma”
nankin, aquarela e posca sobre papel aquarela 300g/m²
status: disponível

 

 

 

carmim

“Carmim”
nankin, aquarela e posca sobre papel aquarela 300g/m²
status: disponível

Advertisements

Novas conversas

 

Mundi

Título: Mundi

aquarela e nanquim

Luciane Valença

SOLITAIRE

Título: Solitaire

aquarela e nanquim

Luciane Valença

 

Tiragem limitada

Foi feita uma tiragem limitada de réplicas assinadas e numeradas para a Exposição Outopos, que já está disponível para aquisição com envio para todo o Brasil com frete grátis.

Entre em contato: lucianevalenca@gmail.com

informações técnicas: tamanho A3  em papel couchê fosco 260

Boas energias pra sua casa

“Disciplina é liberdade;

Compaixão é fortaleza;

Ter bondade é ter coragem.”

– Renato Russo

francisco-ass

Francisco | aquarela sobre papel

Informações sobre originais e réplicas: lucianevalenca@gmail.com

Justiça na Capa

Deusa Têmis by Luciane Valença

‘Têmis’ by Luciane Valença (aquarela sobre papel) Jul/2016

“Está curiosa? A nossa editora executiva, Ana Karla Gomes, conta o significado da capa dessa edição superespecial da nossa revista impressa:

Pelas mãos da talentosa artista plástica Luciane Valença, ilustramos nossa “embalagem” com traços de personalidade. O sol e a noite simbolizam a transparência e luz que a justiça deve trazer. Os pássaros simbolizam o direito à liberdade, a espada e a balança a iconografia do mito. Os cabelos rubros fazem alusão à cor do direito, que é o vermelho. As cores no fundo simbolizam a suavidade e diversidade das mulheres. Tudo profundo, tudo intenso, tudo inteiro. Bem como a resistência feminina tem que ser.
Observem e admirem à vontade. Essa arte é das senhoras.”

capa-revista-observarorio-feminino-deusa-temis

Fonte: Observatório Feminino

Hinos Homéricos

Estou dando início a ilustração dos trinta e três hinos homéricos, de autoria anônima – que celebram várias divindades da mitologia grega –  uma coleção de hinos em grego, atribuídos à Homero. Contudo, os estudiosos admitem que os poemas foram escritos por diversos autores antigos de diferentes épocas e, mais amplamente, de regiões distintas entre si. A série referida fará parte da próxima exposição ‘Ou+Topos’, em que terei a imensa honra de dividir com meu irmão, Carlos Valença. Até lá muito estudo e imersão profunda, nesses mitos que causam fascínio até hoje.

Confira as primeiras obras:

Paz e Arte!

Desejos Inconscientes

Sonhos e abstrações

Adormecidos e despertos

Elas por Elas

Convite

Maria Esther Bueno, Aída dos Santos, Marta Vieira, Maria Lenk, Daiane dos Santos. Ao ler esses nomes, vem instantaneamente o mesmo pensamento a cabeça: todas são atletas brasileiras. Porém, o artista e curador Zé Roberto Graúna saiu do senso comum e as enxergou muito além de suas habilidades como esportistas. É exatamente isso que ele se propõe a mostrar em “Elas por Elas: As atletas brasileiras por nossas artistas”, a próxima exposição da Sala de Cultura Leila Diniz.

No clima dos Jogos Olímpicos Rio-2016, a mostra, que vai do dia 13 de julho a 11 de agosto, reunirá 45 obras que buscam representar as atletas brasileiras através do olhar de nossas artistas. Além de 38 atletas que fizeram história, a árbitra de futebol Asaléa dos Santos e a jornalista Marilene Dabus, terão suas trajetórias e seu desenvolvimento no cenário esportivo representados através de caricaturas, ilustrações, esculturas e cartuns por diversas mulheres artistas de diferentes regiões do Brasil. “Elas por Elas” é a visão da arte feminina na participação da mulher no esporte nacional.

A mostra conta com obras de 45 artistas. São elas: Ana Cristina Maciel, Andréa Stelling, Camilla Sanpe, Carla Guidacci, Carnelós, Cida Calu, Claudia Kfouri, Daiana Oliveira, Dária Lorena, Deborah Trindade, Fani Loss, Fernanda Ambrosio, Flávia Pina, Gisele Henriques, Janaina Bruno, Juliana Colombo, Kamilla Pavão, Lidiane Dias, Lidiane Dutra, Lili Detoni, Liliana Ostrovsky, Liz Minelli, Lorena Kaz, Lu Martins, Lu Valença, Luciana Oliveira, Márcia d’Haese, Marcia Mendes, Maria Rita, Maryangela, Meiriele de Medeiros, Mika, Mônica Fuchshuber, Nat Forcat, Nice Lopes, Noelle Porto, Patricia Brasil, Rosali Colares, Rosalina Brito, Sahar Ansari, Shirley Fontoura, Suélen Becker, Verônica Saiki, Vick Mattias e Yara Souza.

O evento de abertura da exposição acontecerá no dia 13 de julho, às 18h, na Sala de Cultura Leila Diniz. A entrada é GRATUITA! 

Cultura Leila Diniz

Rua Professor Heitor Carrilho, 81, 24.030-230 Niterói

Baioneta

baioneta com selo - Luciane Valença

Projeto do rótulo para a nova Báltic Porter da cervejaria artesanal DuBaião. O mestre cervejeiro Marcos Baião, foi buscar referências na Polônia e promete um plus para os paladares mais apurados, a inclusão do Rum nesta alquimia.

Label design for the new Baltic Porter of DuBaião craft brewery. The brewmaster Marcos Baião was seeking references in Poland and promises a plus for the more refined palates, the inclusion of Rum in this alchemy.

Foi um desafio muito bacana transformar uma capivara em símbolo. Uma homenagem à tradição de fazer cerveja, e que começou com as mulheres. Uma mistura de Lara Croft com Pinup que resultou na nossa BAIONETA com muito sex appeal.

It was a very nice challenge to transform a capybara in symbol. A tribute to the tradition of making beer, which began with the women. A mixture of Lara Croft with Pinup resulted in our BAIONETA with much sex appeal.

Espero que vocês gostem!

Hope you like it!

Cheers! 

………………………………….

 

 

 

 

 

Luciane Valença

Luciane Valença

Luciane Valença is part of the new generation of artists niteroienses that has been gaining strength everywhere and doing a job that is a pleasure to see. The independent scene is growing every day with quality work in music, handicrafts, gastronomy and the arts. Our thing. Our people. Silver home.

Born in Niterói in 1975, designer, visual artist and illustrator Luciane Valença works with visual communication for over 15 years. Founder of Atelier Valença & Arts, along with his brother, artist and restorer Carlos Valença, has been highlighted in the national art scene with a unique style. His influences, noticeable in his features, go through Art Nouveau, Futurism and Surrealism, creating a unique style.

Always mixing the same brush stroke in tints that seem to not have a beginning or end, marked by strong lines and contrasts of light and tones. Figurations and stories that invite us to a fantastic reality of a very particular world, of plastic beauty with depth, proposing a reflection on the emotions, daily life and psyche.

Valença brings to lovers of good painting aged news arising from inspirations, aspirations, desires, quirks and own emotions. It is part of a generation of talented artists willing to indulge in aesthetic revolution with sole intent to demolish the convenience in creation. There is color in Niteroi. And you could not even leave to get close!]

LUCIANE VALENÇA

email: lucianevalenca@gmail.com

Instagram – luvalenca

Facebook – http://www.facebook.com/lucianevalencaarts

 

 

Extraordinárias

Um pequeno recorte da série “Extraordinárias” que começou a tomar forma e que mais uma vez  a exemplo de “Poéticas”, exalta a mulher. Continuo utilizando a aquarela e o nanquim, com tons e traços mais fortes. Ainda não esgotei todas as possibilidades de ambos. Espero que vocês apreciem e comentem. Paz e Arte!

 

No mês da mulher, Luciane Valença expõe ‘Poéticas’, pinturas com temática feminina

exposição Luciane Valença

A nudez da alma feminina, na arte escrita, falada e visual, percorre ao longo da história uma trajetória que causa profundo interesse e mistério. O desvelamento desse universo feminino, tão exaltado, cantado, poetizado e colorido, ainda esconde nuances sutis que nos brindam com novos encantamentos. Na mostra “Poéticas”, em cartaz de 1º a 30 de março das 10h às 19h no bistrô Maison Vitalité (Rua Dr. Celestino nº 122 cobertura 1406, centro de Niterói), a artista plástica Luciane Valença debruça-se na essência de seu próprio feminino.

Musas, deusas, heroínas e amantes ilustram as múltiplas faces que definem a lapidação única da joia que compõe cada mulher. Em uma sociedade onde muitas vezes se veem os papéis trocados ou velados, a necessidade de uma essência feminina nos convoca a um resgate que reafirme essas características. A mulher aguerrida, romântica, que sofre e conquista, é valorizada em todas as suas faces nos traços de Luciane Valença, marcando o valor e o direito de ser mulher em toda a sua plenitude.

Luciane Valença II

Sobre a artista – Designer, artista visual e ilustradora, a niteroiense Luciane Valença tem 41 anos e trabalha com comunicação visual há mais de 15 anos. Fundou o Atelier Valença & Arts com o irmão, artista plástico e restaurador Carlos Valença. Suas influências, perceptíveis em seus traços, passam pelo Art Noveau, Futurismo e Surrealismo, criando um estilo único. Figurações e histórias que nos convidam a uma realidade fantástica de um mundo muito particular.

Exposição Poéticas
de 1 a 30 de março
Horário de visita: de 2ª a 6ª das 10h às 19h
Local:  Bistrô Maison Vitalité

Rua Dr. Celestino 122 cobertura 1406 – Centro, Niterói.
(Edifício iOffices, em frente à Sociedade Fluminense de Fotografia)

O livro sobre nada

calmaria

Calmaria (lápis de cor sobre canson)

“É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.
Tudo que não invento é falso.
Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.
Tem mais presença em mim o que me falta.
Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário.
Sou muito preparado de conflitos.
Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.
O meu amanhecer vai ser de noite.
Melhor que nomear é aludir. Verso não precisa dar noção.
O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.
Meu avesso é mais visível do que um poste.
Sábio é o que adivinha.

Contemplação

Contemplação (nanquim/grafite sobre canson)

Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.
A inércia é meu ato principal.
Não saio de dentro de mim nem pra pescar.
Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.
Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.
Peixe não tem honras nem horizontes.
Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.
Eu queria ser lido pelas pedras.
As palavras me escondem sem cuidado.
Aonde eu não estou as palavras me acham.
Há histórias tão verdadeiras que às vezes parece que são inventadas.
Uma palavra abriu o roupão pra mim. Ela deseja que eu a seja.
A terapia literária consiste em desarrumar a linguagem a ponto que ela expresse nossos mais fundos desejos.

Amanhecer

Amanhecer (lápis de cor sobre canson)

Quero a palavra que sirva na boca dos passarinhos.
Esta tarefa de cessar é que puxa minhas frases para antes de mim.
Ateu é uma pessoa capaz de provar cientificamente que não é nada. Só se compara aos santos. Os santos querem ser os vermes de Deus.
Melhor para chegar a nada é descobrir a verdade.
O artista é erro da natureza. Beethoven foi um erro perfeito.
Por pudor sou impuro.
O branco me corrompe.
Não gosto de palavra acostumada.
A minha diferença é sempre menos.
Palavra poética tem que chegar ao grau de brinquedo para ser séria.
Não preciso do fim para chegar.
Do lugar onde estou já fui embora. ”

-Manoel de Barros

(ilustrações disponíveis – contato:lucianevalenca@gmail.com)

Pés, para que os quero, se tenho asas para voar?

“Pés, para que os quero, se tenho asas para voar?”
– Frida Kahlo
(“Asas Para Kahlo” por Luciane Valença – lápis de cor sobre canson)
Série: PoéticasFrida Kahlo Luciane Valença

Asas para Kahlo

Bom dia, gente!!
Antes do nanquim, da cor… captar um olhar tão especial como este não é fácil. Estou trabalhando nesta “alma” a mais tempo do que consegui dormir. Uma hora chego lá… paciência!

12096157_523549964475623_5499041451696206763_n
_____________________________
“Asas para Kahlo” – trabalho em andamento
Série: Poéticas
por Luciane Valença

%d bloggers like this: